O momento de escolha profissional é cercado de pressões e dúvidas que surgem de todos os lados. Antes do vestibular, portanto, a cabeça do estudante fica recheada de questionamentos. Afinal, o que deve ser levado em conta? Ele deve seguir sua vocação ou pensar nas profissões em alta no mercado? É melhor escolher uma carreira que garanta um bom salário ou correr atrás de sua realização pessoal?

Na realidade, o verdadeiro problema parece morar na crença de que a decisão profissional deve ser definitiva, irreversível. Mas esse pensamento é um exemplo clássico do famoso tiro que sai pela culatra, pois só aumenta a carga de insegurança sobre os jovens, impedindo-os de enxergar a situação com a clareza necessária.

Também vem sofrendo com todas essas angústias? Então aqui vai a primeira boa notícia: se você quiser, é sim possível mudar de carreira! Para isso, o ideal é investir em formas de realmente acertar logo de cara na decisão. Pense em como seu sucesso pode chegar mais rápido se você souber exatamente que passos seguir para alcançar seus objetivos!

O detalhe é que esse caminho para o sucesso começa justamente pela melhor opção por um curso de graduação! Lembre-se: uma escolha consciente poupa tempo e recursos, além de garantir sua tranquilidade. Quer saber como? Continue lendo!

Qual a solução para uma escolha profissional certeira?

Para ajudá-lo nessa tarefa, existe hoje no mercado um grande aliado: o coaching para escolha da profissão. Basicamente, o coaching é uma metodologia de desenvolvimento (pessoal ou profissional) que teve início no meio esportivo, passando a ser aplicada também no campo das relações humanas e profissionais.

Trata-se de uma relação de parceria entre o técnico e seu cliente — respectivamente coach e coachee. Esse profissional ajuda a revelar e libertar o potencial do cliente para maximizar seu desempenho e permitir que alcance os resultados desejados, em qualquer âmbito da sua vida.

Como o coaching pode ajudar na escolha da profissão?

Tudo bem que não é fácil tomar uma decisão em relação à vida profissional, mas há sim um caminho mais propenso a levá-lo a uma escolha mais acertada. O primeiro passo é buscar conhecer a si mesmo: personalidade, aptidões, gostos, pontos fortes e fracos, entre outras coisas.

Além disso, é indispensável se informar sobre as opções de trabalho disponíveis no mercado, procurando saber quais são as expectativas de carreira para cada uma delas, por exemplo. Com isso, fica muito mais simples encontrar uma correspondência entre suas características pessoais e os requisitos essenciais para o exercício da profissão que você tem em mente.

Nesse momento, você pode estar se perguntando: mas por que isso é tão importante? E a resposta vai sem rodeios: porque ainda que você seja fera em matemática, por exemplo, não quer dizer que as opções disponíveis no mercado para atuar nessa área sejam de seu interesse!

Levando em consideração que o conhecimento da maioria dos jovens sobre o mercado das profissões não é dos mais vastos, definitivamente vale a pena contar com o coaching. Esse profissional entra em cena exatamente para guiá-lo, levando-o a tomar uma decisão baseada na realidade — que, portanto, tem maiores chances de acerto.

Qual a diferença do coaching para a orientação vocacional?

O coaching não analisa apenas suas aptidões para apontar as áreas em que você teria mais chances de ser bem-sucedido. Esse tipo de assessoria o ajudará a identificar seus planos para o futuro, pensando em sua carreira como um todo e direcionando seus passos para que chegue exatamente aonde quer.

Diferentemente da orientação vocacional, portanto, o coaching não o conduz apenas à escolha do curso superior. Ele vai muito além disso! Por meio de uma ferramenta chamada Plano de Desenvolvimento Individual (PDI), o coaching oferece uma visão panorâmica da carreira, permitindo que o jovem trace as melhores metas e estabeleça prazos razoáveis rumo ao sucesso!

Como tudo isso funciona na prática?

Basicamente, esse profissional ajuda o jovem a conhecer e analisar aqueles aspectos (internos e externos) que servirão de alicerce para a tomada de uma decisão profissional madura. Quer saber quais são esses aspectos? Veja só:

1. Desenvolver o autoconhecimento

Como já mencionamos brevemente, conhecer-se a si mesmo consiste em descobrir quais são seus valores, suas motivações, forças e fraquezas, assim como suas habilidades e competências.

2. Conhecer as influências externas

Influenciado pela família ou pela sociedade, o jovem pode acreditar que uma determinada profissão é a melhor alternativa para sua vida, sem ao menos considerar outras possibilidades. Ter consciência de que essas influências existem (e de que são efetivamente influências) é a única maneira de garantir que sua decisão seja tomada com base em quem você realmente é e não no que os outros esperam que você seja.

3. Avaliar a consistência das preferências vocacionais

Avaliar a consistência do que o coachee aponta como suas vocações é acompanhar a evolução do interesse por determinadas profissões ou áreas em um certo espaço de tempo. Isso dá ao coach a certeza de que esse interesse não é só coisa de momento ou fruto de alguma influência externa. Afinal, também existem modas no mercado de trabalho!

4. Investigar sobre opções de carreira

Nessa etapa do processo de coaching, serão exploradas as possibilidades de atuação profissional disponíveis em uma determinada área e quais são os requisitos para alcançar o sucesso de acordo com a escolha do coachee. 

Podemos exemplificar com o Direito: já pensou em quantas ocupações ele permite exercer? Advogado, delegado, procurador, juiz, promotor e por aí vai. Veja como, nesse caso, uma única graduação pode abrir um leque enorme de possibilidades de carreira!

5. Informar-se sobre a realidade do sistema educacional

Estar antenado ao cenário educacional do país ajuda a identificar as melhores opções disponíveis para facilitar a realização do sonho de conclusão do curso superior. Ao escolher sua instituição de ensino, é fundamental avaliar não só a qualidade dos cursos oferecidos, mas também a competência do corpo docente, a infraestrutura da universidade, a questão da acessibilidade e o suporte oferecido ao aluno. Já sabe se o curso desejado pode ser feito com o auxílio de incentivos como o PROUNI e FIES? Não custa nada descobrir!

6. Ficar por dentro do cenário econômico do país

Estar por dentro do que se passa na economia do país permite que o jovem conheça o lugar da sua profissão no mercado, seu potencial de crescimento ou queda, as perspectivas de remuneração, entre outras informações que poderão impactar sua escolha.

E aí, gostou de saber um pouco mais sobre o coaching para escolha da profissão e para o planejamento da sua carreira? Quer outras dicas sobre como garantir seu sucesso? Então aproveite para descobrir como um curso de graduação expande seu futuro!