Introdução

Para ser arquiteto é inegável, tem que ter muita criatividade e bastante amor por matemática e física. Mas além de todas essas características e de ser o responsável por construções arquitetônicas no geral, você sabia que esse profissional também contribui para a qualidade de vida de quem usufrui dessas edificações?

Pois é, além de ser uma profissão que exige bastante comprometimento do projeto até a entrega da construção, afinal de contas, a vida de outras pessoas conta com isso, o conforto, praticidade e a qualidade de vida de quem irá desfrutar delas também devem ser levadas em consideração.

E se você pretende seguir essa carreira e iniciar sua graduação em arquitetura, bora continuar essa leitura, entender como esse profissional é importante e pode contribuir com a sociedade!

O que faz um arquiteto?

Quem escolhe a Arquitetura e Urbanismo tem a possibilidade de trabalhar em várias áreas. Ao se formar, o arquiteto estará apto para analisar o solo e verificar o tipo de estrutura necessária, poderá projetar, realizar intervenções decorativas no interior dos imóveis e coordenar construções de casas, prédios, espaços internos e externos.

É ele também quem determina quais tipos de materiais devem ser utilizados na obra (buscando sempre o menor impacto ambiental possível) levando em conta estética, conforto, ventilação, iluminação, acústica e funcionalidade do ambiente.

Enfim, esse é um profissional coringa e bastante requisitado graças ao feeling que possui, edificando mais do que simples construções, mas espaços aconchegantes e que refletem “a cara” do cliente em cada detalhe.

Quais são os processos até a conclusão de uma obra?

Ser o responsável por obras arquitetônicas que irão abrigar dezenas, centenas e até milhares de pessoas é uma função que exige muita responsabilidade, estudo e mão na massa (literalmente) para que tudo ocorra perfeitamente.

Para que isso aconteça, existe um roteirinho que todo arquiteto deve seguir. Claro que hoje existem tecnologias que auxiliam e muito para cada etapa, mas também é necessário saber o passo a passo manual caso não seja possível recorrer a esses facilitadores.

Lembrando que o que vamos ver aqui é um conteúdo básico, ao qual você irá se aprofundar muuuuito mais durante os anos de faculdade e estágios supervisionados, ok?

Então vamos conhecer as etapas necessárias para iniciar uma construção arquitetônica, listadas pelo IAB – Instituto de Arquitetos do Brasil:

1. Estudo Preliminar

Essa é a primeira etapa do projeto. Nesse momento será necessário levantar todos os dados pertinentes para o início do projeto. Medidas e plantas do terreno, informações sobre ele e seu entorno e estudo do tipo de solo.

Também deverá entender o objetivo do cliente e a finalidade da obra, os prazos e recursos disponíveis para a execução do projeto, características funcionais da obra como o tipo de atividade que será desenvolvida lá e a análise do fluxo de pessoas ou carros que irão circular por aquele local.

2. Anteprojeto

Após realizar a análise de todas as exigências e necessidades colhidas na etapa de estudo preliminar, é feito o lançamento de ideias, desenvolve-se os desenhos conceituais, layouts, perspectivas e croquis.

Nesse momento, é interessante mostrar materiais, revistas e locais que podem ser inspiração para o desenvolvimento desse esboço.

Após a aprovação desse pré projeto pelo cliente, você deverá passar para o próximo passo.

3. Projeto de Aprovação

Com o anteprojeto aprovado, você deverá trabalhar sobre ele adequando-o de acordo com as normas e exigências da prefeitura local para conseguir sua aprovação.

Para isso você precisará apresentar:

4. Acompanhamento à Execução da Obra

Com a documentação em dia e a aprovação da prefeitura e do cliente em mãos, é hora de iniciar a construção.

Nesse momento o arquiteto será responsável por acompanhar as fases da obra, orientar os profissionais envolvidos e supervisionar os serviços para garantir o sucesso dessa edificação, de acordo com o plano desenvolvido, até sua conclusão.

Como você viu, é um processo bastante burocrático e cheio de detalhezinhos importantes. Mas fique relax, isso tudo você sai dominando de cabo a rabo no final de sua graduação, ok?

Como a arquitetura pode melhorar a qualidade de vida das pessoas?

Definir o que é ter qualidade de vida nem sempre é fácil. Todos temos um significado implícito que nos faz deduzir o que é tê-la, mas cada um sente isso de formas diferentes. Mas para facilitar essa tarefa, vamos colocar no centro dessa pauta o que a OMS – Organização Mundial da Saúde diz sobre esse assunto. De acordo com ela, ter qualidade de vida está associado à sentir-se bem e a possuir bem-estar pessoal.

Vários aspectos influenciam para se identificar essa sensação boa. Entre eles estão:

  • Nível socioeconômico;
  • Estado emocional;
  • Interação social;
  • Autocuidado;
  • Suporte familiar;
  • Estado de saúde;
  • Estilo de vida;
  • Satisfação com o emprego;
  • Ambiente em que se vive.

A partir disso, podemos enxergar como o trabalho do arquiteto está intimamente ligado com os sentimentos de bem-estar, realização e conforto, proporcionado pelas interações internas e externas que temos com os ambientes.

Quer um exemplo disso? Quem nunca saiu de casa num domingo, foi a uma praça pública e ficou lá, admirando a paisagem e curtindo aquele fim de tarde bonito, ou entrou em uma casa aconchegante, iluminada, ventilada e se sentiu super bem acolhido?

Nesses dois exemplos estão retratados o posicionamento profissional do arquiteto, que é treinado para pensar a estrutura como um todo. Então para aquela praça sair do papel, ele estudou como ela afetaria o entorno e o posicionamento do paisagismo, de forma que fosse possível aproveitar cada detalhe oferecido de graça pela natureza.

Já naquela casa gostosa, ele matutou muito até chegar numa boa disposição de móveis, janelas, luminárias e decorativos para conseguir captar esses pequenos detalhes que fizeram você se sentir feliz e bem recebido!

Resumindo, quando estamos em ambientes harmoniosos, equilibrados e com características adequadas, esses detalhes atuam positivamente na rotina das pessoas e geram boas sensações.

Uma dica importante que pode ajudar a tornar um ambiente melhor e também é usada por arquitetos, é a técnica chinesa chamada Feng Shui. Ela consiste em eliminar os excessos e deixar nos espaços somente com o que realmente é necessário, de forma que a energia esteja sempre positiva, renovada, e torne o ambiente mais convidativo, clean e confortável.

Os detalhes são a alma desse negócio!

A arquitetura é a profissão daqueles que amam a arte, que conseguem ter um olhar diferente para as coisas cotidianas, que são criativos, detalhistas e que ganham o dia a ver aquele brilho nos olhos refletindo um sonho realizado.

É uma área que exige muita responsabilidade, estudo, busca de conhecimentos e inspirações externas, mas que tem um retorno muito positivo. E se você está preparado(a) para passar por essa experiência e com a cabeça explodindo de ideias, não perde tempo não, se inscreva para o vestibular o quanto antes, tenho certeza de que será muito feliz nessa carreira!

Se ficou alguma dúvida ou quer sugerir algum assunto para os próximos materiais, fique a vontade para falar com a gente pelo box de comentários, ok?

Até a próxima!