INTRODUÇÃO

Formar profissionais capazes de atuarem na prevenção e reabilitação das capacidades físicas e funcionais das pessoas, são os objetivos da graduação na área da Fisioterapia.

O profissional formado busca aplicar terapias para tratar as doenças e lesões, utilizando de técnicas tradicionais como massagens e ginástica, sendo capacitado para diagnosticar e executar o tratamento fisioterapêutico correto, de acordo com problemas causados por má-formação, acidentes ou vícios de postura.

Dentre as atuações e práticas utilizadas na área da Fisioterapia, as Tecnologias Assistivas têm surgido como uma tendência e um novo campo de conhecimento a ser amplamente explorado. O fisioterapeuta apresenta um importante papel nesse tema, pois é capacitado para dar assistência ao homem, participando da promoção, tratamento e recuperação da sua saúde. Sendo assim, é responsabilidade desse profissional utilizar das Tecnologias Assistivas nas Atividades de Vida Diária (AVDs) e Atividades Instrumentais de Vida Diária (AIVDs).

E esse é o tema do artigo de hoje!

O QUE SÃO AS TECNOLOGIAS ASSISTIVAS?

O termo ainda é consideravelmente novo, mas a Tecnologia Assistiva é identificada como a totalidade de Recursos e Serviços que contribuem para proporcionar habilidades funcionais de pessoas com deficiência e consequentemente promover a autonomia e a inclusão da pessoa.

No Brasil, o Comitê de Ajudas Técnicas (CAT), define a Tecnologia Asssitiva como “Uma área do conhecimento, de característica interdisciplinar, que engloba produtos, recursos, metodologias, estratégias, práticas e serviços que objetivam promover a funcionalidade, relacionada à atividade e participação de pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida, visando sua autonomia, independência, qualidade de vida e inclusão social”.

Dessa forma, a Tecnologia Assistiva se divide em duas áreas: recursos e serviços. Os Recursos são todo item, equipamento, produto ou sistema utilizado para aumentar, manter ou melhorar as capacidades funcionais das pessoas com deficiência. Enquanto os Serviços, são aqueles que auxiliam diretamente uma pessoa com deficiência a selecionar, comprar ou usar os Recursos apresentados acima.

QUAIS SÃO OS RECURSOS DA TECNOLOGIA ASSISTIVA?

Em busca de aprimorar as habilidades motoras de pessoas com deficiência, e alcançar os objetivos de autonomia e inclusão, os recursos podem variar de uma simples bengala a um complexo sistema computadorizado.

Brinquedos, roupas adaptadas, computadores, softwares e hardwares especiais, que contemplam questões de acessibilidade, dispositivos para adequação da postura sentada, recursos para mobilidade manual e elétrica, equipamentos de comunicação alternativa, chaves e acionadores especiais, aparelhos de escuta assistida, auxílios visuais, materiais protéticos e milhares de outros itens estão englobados na gama de recursos utilizados pelas práticas assistivas.

QUAIS SÃO OS SERVIÇOS DA TECNOLOGIA ASSISTIVA?

Já os serviços, são aqueles prestados profissionalmente à pessoa com deficiência utilizando um recurso de tecnologia assistiva. Como exemplo, podemos citar avaliações, experimentação e treinamento de novos equipamentos.

Os serviços de Tecnologia Assistiva normalmente envolvem profissionais de diversas áreas, tais como: Fisioterapia, Terapia ocupacional, Fonoaudiologia, Educação, Psicologia, Enfermagem, Medicina, Engenharia, Arquitetura, Design, e Técnicos de muitas outras especialidades.

APLICAÇÕES DA TECNOLOGIA ASSISTIVA

Buscando proporcionar à pessoa com deficiência maior independência, qualidade de vida e inclusão social, através da ampliação de sua comunicação, mobilidade, controle de seu ambiente, habilidades de seu aprendizado, trabalho e integração com a família, amigos e sociedade, a Tecnologia Assistiva também se divide em diversas categorias.

As classificações são importantes na área para facilitar estudos e pesquisas no assunto, que podem ser desenvolvidos como políticas públicas e serviços para a comunidade, além de permitir a formação de bancos de dados identificando os recursos e serviços mais apropriados em cada caso.

  1. AUXÍLIOS PARA A VIDA DIÁRIA

São definidos como materiais e produtos que ajudam em tarefas rotineiras, como comer, cozinhar, se vestir, tomar banho, manter a higiene pessoal, fazer manutenção da casa, etc.

  1. COMUNICAÇÃO AUMENTATIVA E ALTERNATIVA

São recursos, eletrônicos ou não, que permitem a comunicação das pessoas sem a fala ou com limitações de fala. São muito utilizadas pranchas de comunicação, vocalizadores e softwares dedicados para este propósito.

  1. RECURSOS DE ACESSIBILIDADE AO COMPUTADOR

São os equipamentos de entrada e saída, auxílios alternativos de acesso, teclados modificados, acionadores, softwares de reconhecimento de voz, que permitem as pessoas com deficiência a usarem o computador.

  1. SISTEMAS DE CONTROLE DE AMBIENTE

São sistemas eletrônicos que permitem as pessoas com limitações motoras a controlarem aparelhos eletrônicos localizados em seu quarto, sala, escritório, casa e arredores.

  1. PROJETOS ARQUITETÔNICOS PARA ACESSIBILIDADE

São adaptações estruturais e reformas realizadas em casa, no trabalho, como rampas, elevadores, adaptações em banheiros, que reduzem as barreiras físicas, e facilitam a locomoção da pessoa com deficiência.

  1. ÓRTESES E PRÓTESES

Se refere à troca ou ajuste de partes do corpo, por membros artificiais ou outros recursos ortopédicos. São incluídos nesse âmbito os protéticos, que auxiliam em limitações cognitivas, como gravadores de fita magnética ou digital, que funcionam como lembretes instantâneos.

  1. ADEQUAÇÃO POSTURAL

Adaptações feitas em cadeiras de rodas visando o conforto e distribuição adequada da pressão na superfície da pele, ou posicionadores e contentores que propiciam maior estabilidade e postura adequada do corpo, através do posicionamento de tronco/cabeça/membros.

  1. AUXÍLIOS DE MOBILIDADE

Engloba cadeiras de rodas manuais e motorizadas, bases móveis, andadores, scooters de três rodas e qualquer outro veículo utilizado na melhoria da mobilidade pessoal.

  1. AUXÍLIOS PARA CEGOS OU COM VISÃO SUBNORMAL

Inclui lupas, lentes, Braille para equipamentos com síntese de voz, grandes telas de impressão, sistema de TV com aumento para leitura de documentos, etc.

  1. AUXÍLIOS PARA SURDOS OU COM DÉFICIT AUDITIVO

Inclui vários equipamentos como aparelhos para surdez, telefones com teclado, sistemas com alerta táctil-visual, entre outros.

  1. ADAPTAÇÕES EM VEÍCULOS

Acessórios e adaptações que possibilitam a condução de veículos, elevadores para cadeiras de rodas, camionetas modificadas e outros veículos automotores usados no transporte pessoal.

TECNOLOGIAS ASSISTIVAS DESDE A GRADUAÇÃO

Por trabalhar com uma atuação transdisciplinar, e envolver profissionais de diversas áreas, a Tecnologia Assistiva tem encontrado espaço para estudo e aplicação desde a graduação nas Universidades.

É comum encontrar casos como o do Centro Universitário do Sul de Minas, onde alunos dos cursos de Fisioterapia, Análise e Desenvolvimento de Sistemas, Ciência da Computação e Sistemas de Informação se reuniram para desenvolver um Projeto Interdisciplinar de Curso, com a temática de Reabilitação Virtual.

A proposta consistiu em os alunos dos cursos de tecnologia pensarem em possibilidades de desenvolvimento de produtos e protótipos que atendam necessidades reais de pacientes apontados pelos estudantes de Fisioterapia, após análises de anatomia, fisiologia, patologias, deficiências e incapacidades, trabalhando assim com as tecnologias assistivas.

Os cursos promoveram um evento, o Hackaton ReabTech 19, onde foram apresentadas as propostas desenvolvidas pelos grupos, atendendo diversas áreas da saúde como neurologia, geriatria, neurologia infantil, dentre outras.

UMA ÁREA NECESSÁRIA E EM CRESCIMENTO

Como podemos ver, as Tecnologias Assistivas são extremamente necessárias em diversas áreas do conhecimento, e em aplicações diárias que podem mudar a vida e o cotidiano de muitas pessoas.

O desafio de trabalhar com profissionais de diversas áreas, e diferentes conceitos de saúde e tecnologia, é grande, mas aproximar o aluno da graduação, e o profissional formado, da realidade das pessoas com deficiência, e reconhecer a importância de cada um dentro do contexto de assistir o paciente pelos olhares da saúde e da tecnologia, é um diferencial muito importante para o mercado de trabalho e para a ética profissional.

Esperamos que tenha gostado do texto de hoje, e que as informações e o conteúdo apresentado aqui tenham sido esclarecedores e inspiradores para você.

Até a próxima!