Por conta das altas concorrências e da quantidade de conteúdo previsto para os exames, é comum encontrar estudantes ansiosos durante a preparação para o vestibular. Muitos deixam de lado os hobbies e os amigos para se dedicarem às apostilas, mas mesmo assim não são aprovados e a frustração bate forte com gostinho de “um ano jogado fora”.

Isso acontece porque para dar conta de um volume tão grande de assuntos em tão pouco tempo é preciso antes aprender a aprender. Não adianta estudar horas a fio, se as leituras não rendem e você não está fixando nada. Se você encarar essa batalha sem antes uma reflexão sobre a forma como você estuda, vai chegar despreparado na prova.

Não se desespere! Se, por outro lado, você otimizar o tempo e usá-lo de forma inteligente, vai se sair muito bem — e sem precisar abrir mão dos fins de semana. No post de hoje, vamos ensinar como.

As três primeiras dicas são hábitos que você pode incorporar para organizar a sua rotina e se aplicam para qualquer estudante que deseja otimizar o tempo de estudo. Os três tópicos seguintes são técnicas de leitura ativa, especiais para quem precisa ler muito. Confira!

1. Mais ação e menos preocupação

É fundamental que você cultive técnicas para cuidar do seu estado emocional durante a preparação para o vestibular. A ansiedade vai atrapalhar o seu desempenho, porque se não estiver bem-disposto, você não vai aprender e acabará se desmotivando.

A principal fonte de ansiedade é o receio de não conseguir estudar tudo. Então, você precisa, logo no início do ano, tirar da cabeça essa sensação de ser esmagado pela quantidade de conteúdo. Como fazer isso? Com um bom planejamento.

Com sessões de estudo reservadas para cada assunto, você não vai precisar se preocupar com todas as matérias o tempo todo e poderá se concentrar em uma de cada vez. Portanto, tire da cabeça as tarefas que você vai fazer no futuro e se concentre de verdade na tarefa presente.

Procure a lista de conteúdos, divida os assuntos pelos meses e, à medida que for avançando no ano, planeje detalhadamente as semanas. Para auxiliar o planejamento, você pode usar aplicativos como o Google Calendar e o seu sistema de tasks, o ToDoIst, ou o MyStudyLife, que é bastante intuitivo.

Caso você prefira papel e caneta, compre uma agenda semanal. Esse tipo de agenda é ótimo porque, já que há pouco espaço para cada dia, você não vai cair na tentação de atribuir tarefas demais — expectativas irreais de produtividade só geram frustração.

2. Exercite o seu foco

O segundo passo para estar 100% presente no seu estudo e otimizar o tempo é exercitando o seu foco. Se você trabalha ou possui outras atividades das quais não quer abrir mão e, por conta disso, só disporá de quatro horas por dia para estudar, é bom que essas horas rendam.

Se afaste de qualquer tipo de distração durante as suas sessões de estudo. Desligue o celular e tire de cima da mesa tudo que não for imprescindível.

O computador é uma ferramenta muito poderosa para estudar, mas ele também pode ser uma fonte de distração. Você pode usar plugins que bloqueiam páginas da internet para impedi-lo de checar as redes sociais o tempo inteiro, por exemplo. Um deles é o Forest, que também tem uma versão para Android para ajudá-lo a soltar o celular.

3. Mude de espaço e adapte seu tempo

Nossos hábitos se relacionam muito com tempo e espaço. Se você se habituar a estudar sempre pela manhã, com o passar do tempo vai perceber que esse tornará um momento do dia no qual você se concentrará mais fácil.

A mesma sensação acontece com espaços. No seu quarto você costuma dormir, jogar videogame ou ver vídeos no YouTube sem parar, então essa será a disposição do seu cérebro sempre que estiver nele e para algumas pessoas essa disposição pode ser difícil de mudar.

Além disso, há outros fatores de distração que vão encontrá-lo com facilidade na sua casa, como os seus familiares e amigos. Se você perceber que o seu quarto não é um lugar propício para estudar, procure um outro espaço que seja, como as salas da escola ou do cursinho, uma biblioteca pública etc.

Caso essa não seja uma possibilidade, crie esse espaço deixando uma mesinha organizada e limpa de distrações e conversando com os seus parentes sobre a importância do seu tempo de estudo. Ah, e nada de estudar deitado na cama!

4. Encare os textos com objetivos claros

Você já experimentou ir ao supermercado sem antes fazer uma lista de compras ou pensar direitinho no que você precisa levar? Quando você se dá conta, está passando a mesma prateleira pela terceira vez ainda com a sensação de que está faltando alguma coisa. As suas leituras não podem se dar da mesma forma.

Para cada texto que você ler, é fundamental que você saiba o que quer buscar nele. Se você tem um capítulo de botânica de trinta páginas na sua frente, é muito provável que nem tudo ali seja fundamental para a sua compreensão do tema. Portanto, algumas coisas devem ser lidas com bastante atenção, outras nem tanto.

Se é um assunto que você já estudou anteriormente ou já conhece, você provavelmente já sabe quais são as informações mais importantes ali. Procure-as primeiro e leia os entornos se precisar de alguma contextualização.

Caso seja um assunto inédito, não inicie a leitura logo de cara. Passe o olho nas páginas e observe as figuras para criar uma expectativa do que você encontrará e descobrir quais são os assuntos privilegiados no texto.

Pergunte-se: quais são os nomes dos subtítulos? Quais conceitos ou processos são ilustrados? Há palavras destacadas ou em negrito? Use a diagramação do texto a seu favor.

5. Deixe seu rastro nas suas leituras

Sublinhe, marque, anote no seu texto. Se você dispõe de um material próprio, não tenha medo e passe a caneta nele sempre que necessário. Isso é fundamental para você recuperar mais tarde as informações mais importantes e mesmo para, durante a leitura, você exercitar sua capacidade de selecionar o que é mais importante.

Se você tiver material digital, melhor ainda! Pdfs são ótimos para destacar e buscar informações, assim como os leitores digitais como o Kindle.

6. Aproprie-se das ideias

Depois de ler, escreva. Quando você se propõe a escrever sobre um assunto você transforma as palavras dos outros em palavras suas. Esse é o grande teste da compreensão. Se você é capaz de explicar um conceito, parabéns, você entendeu.

Além de ajudar na hora de avaliar o seu rendimento, a escrita é uma boa forma de criar um material próprio para posteriores revisões e vai servir de exercício — escrever bem também é uma questão de prática.

Se você sente que não tem tempo para escrever sobre todos os assuntos importantes, grave áudios. Crie um grupo no WhatsApp só com você e mande áudios nesse grupo como se você estivesse explicando os conteúdos para outra pessoa. Após cada áudio, escreva uma legenda indicando o conteúdo da explicação, como uma etiqueta. Dessa forma, você poderá procurar recuperar áudios específicos no futuro.

Você não vai otimizar o tempo do dia para a noite

Como já falamos no tópico 3, nem sempre é fácil se livrar de um hábito. Se você sente que seu estudo não está eficiente, pode confiar nas nossas 6 dicas, mas não espere que os resultados apareçam já na primeira semana.

No início, você vai ter que aprender como usar os aplicativos e descobrir como tirar o melhor proveito deles; vai sentir dificuldade em selecionar o que deve ser sublinhado e o que não deve etc.

Essas técnicas só serão poderosas quando você as incorporar na sua rotina de estudos e se habituar a elas. Aí sim você se perceberá:

  • retendo mais informações das leituras;

  • mantendo a concentração por mais tempo;

  • produzindo resumos mais objetivos.

Lembre-se, para se destacar em qualquer área de conhecimento é fundamental que antes você aprenda a aprender.

Na corrida do vestibular, cada dia é valioso, então esperamos que você se valha das nossas dicas para otimizar o tempo. No nosso blog sempre há novos conteúdos sobre técnicas de estudo, escolha profissional e preparação para o vestibular. Então, curta nossa página no Facebook, siga nosso Instagram e se inscreva no nosso canal no YouTube para ficar por dentro das novidades!